Terra Vision vs Google Earth

Na serie da Netflix, Batalha Bilionária: o caso Google Earth conta a história da ferramenta revolucionária de mapas.

A produção alemã conta a história de dois jovens inventores do país que criaram o Terravision 1994 e lutam pelo reconhecimento como criadores do algoritmo que roda o Google Earth. É uma batalha que retrata o lado dos perdedores na guerra pelo reconhecimento do trabalho. A minissérie de quatro episódios é baseada em fatos reais e foi criada por Oliver Ziegenbalg e Robert Thalheim. Em 2014, a empresa ART + COM, com sede em Berlim, capital da Alemanha, processou o Google por violação de patente.

Contamos nossa história da perspectiva dos irmãos Winklevoss, os lindos perdedores”, disse o roteirista Ziegenbalg, em entrevista à revista norte-americano Variety. Ele se referia ao filme ‘A Rede Social’, lançado em 2010 e dirigido por David Fincher.Naquele filme, o diretor Robert Thalheim lembrou, o público não gosta do protagonista. “Queríamos ter personagens que você gostaria de acompanhar em todo o processo”, explicou. Assim, a série vai e volta entre os anos 1990, com os primeiros dias de Juri Müller e Carsten Schlüter, interpretados por Marius Ahrendt e Leonard Schleicher na versão mais jovem, respectivamente, e o julgamento.Inicialmente, os criadores imaginaram a série como um filme, mas aproveitaram a oportunidade de oferecer um formato mais longo.

Em, ‘Batalha Bilionária: O Caso Google Earth’, eles mostram a cidade de Berlim após a reunificação, com discotecas de techno, cena de arte experimental e os hackers, que não eram levados a sério. Ziegenbalg e Thalheim lembraram que moravam na cidade naquela época e lembram de como era.The Billion Dollar CodeA série se passa entre os anos 1990 e os 2010, com a história da dupla que criou o algoritmo.

Os criadores ainda aproveitaram para destacar que em nenhum momento a dupla que desenvolveu o Terravision 1994 os buscou para que contassem a história. Assim como roteirista e diretor não foram atrás do Google. “Nós nunca os abordamos. Eles nunca teriam embarcado de qualquer maneira, porque essas grandes empresas de tecnologia querem controlar e proteger a imagem de sua empresa.

Nós apenas corremos o risco, decidindo nomeá-los, e agora veremos. Não sabemos como eles vão reagir ou se vão nos processar.”O elenco da produção conta com um rosto conhecido em séries alemãs da Netflix. O ator Mark Waschke, o Noah da aclamada série ‘Dark’, é um dos integrantes de ‘Batalha Bilionária: O Caso Google Earth’ e pode ser visto no trailer da produção. Ele e Mišel Matičević interpretam os protagonistas nas cenas mais atuais da série.

No vídeo mais futuro dos anos 90, um homem de terno e gravata borboleta manipula uma bola de rolagem de cintura alta. Este foi o Terravision, um malfadado antecessor do Google Earth desenvolvido pela ART+COM Studios em 1994.

Usando um mouse em combinação com o grande globo e uma tela, você poderia “voar” sobre a terra e ver padrões climáticos e terreno, e ampliar todo o caminho em maquetes de edifícios e escritórios. Dados “ecológicos, sociológicos e políticos” dariam ao usuário uma visão poderosa do mundo literalmente na ponta dos dedos. É um conceito ambicioso, especialmente para os anos 90.

Mas nunca decolou da maneira que o Google Earth mais tarde faria, em 2001. Foi sabotado por futuros funcionários do Google?

A ART+COM pensou assim, e processou o Google por violação intencional de patentes em 2014, alegando que “o histórico de desenvolvimento do Google Earth indica conhecimento e violação por funcionários-chave do Google”, e que o Google Earth “tem semelhanças notáveis com o sistema comercial da ART+COM, que foi desenvolvido quase uma década antes da introdução do Google do Google Earth”.

Seu processo, que não teve sucesso, nomeia dois funcionários do Google, o ex-CTO do Google Earth Michael Jones e Brian McClendon, ex-chefe do Google Maps, por roubar a propriedade intelectual e usá-la para avançar os esforços de dominação mundial de imagens do Google. Um júri determinou O Google não infringiu a patente da ART+COM.

“No futuro, desenvolveremos a visão T ainda mais como uma interface multiuso”, afirma a narração de vídeo. Não teve a chance. Talvez nunca conheçamos um mundo onde cada escritório esteja equipado com um estranho globo cinzento e uma visão do planeta em nível de Deus.

Conclusão

Eu fiquei curioso no desenvolvimento do Terravision, se realmente os códigos foram usados no Google Earth, pois para perder um caso desse tamanho, algo teve.

Outro ponto interessante foi o fato desse acontecimento ter sido ocultado de todos, e claro que nas buscas do Google os resultados podem ter sidos manipulados.

E será mesmo que perderam o processo, ou o Google aportou o caso? Fica a dúvida.